sexta-feira, dezembro 16, 2005

Procura-se

Nesta cidade nunca se encontra quem se quer e acaba sempre por se encontrar todos aqueles que não queremos. É uma cidade pequena parada num estranho nevoeiro onde não vemos ninguém! Esta cidade tem a particularidade de não estar à espera do príncipe encantado mas do D.Sebastião que vai sair do nevoeiro para salvar o país…
Sofremos do complexo de D.Sebastião e o fado é a nossa única expressão.
No norte agrava-se a situação…ainda não sei bem porque mas sei que se agrava e nada mais posso adiantar…
Vou esquecer sem cedilha, saber que vens sem sede a abarrotar de passado amorfo.
De teu nome Cachapuz nada mais sei.
É uma cidade pequena! Grande demais para tanto desencontro.

dimensaooculta

8 comentários:

v disse...

antes de ler o post até ao fim, olhei para a imagem e "olha o cachapuz!!"
é verdade. amigo de longa data, desde os 6 anos (isso foi há quanto tempo mesmo...?).

Anónimo disse...

A reacção foi a mesma quando o vi, embora na altura não soubesse o nome dele!
Foi há muito pouco tempo...tão pouco que a minha memória ainda não cedeu! Irá fazê-lo um dia, quando a noite me atraiçoar e quando a procura deixar de ser irreal...
Se o vires diz-lhe olá por mim!
Se o vires...

dimensaooculta

Anónimo disse...

POis aqui estamos numa cidade, para alguns pequena/grande para duas pessoas se encontrarem duas vezes. Talvez, mas nesta época de advento (como diriam os antigos), tudo pode acontecer, quem sabe no sapatinho da chaminé, o pai natal poderá colocar um pintor. Ou um daqueles que caminham à noite e se deixam pintar por candeeiros. Mas no fundo mesmo no fundo quem sabe no limite da dor ou da vida, talvez seja isso que resista a tal palavra que todos acham fora de moda "amor". Diria o Torga "...não conheço, mas acredito no devir, essa grande bem-aventurança..."

KarmaZen disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.
Anónimo disse...

Olá Pedro!
Fecho os olhos tarde e a manhã vem cedo em uma enorme onda dourada que enche toda a minha varanda de sol.
Obrigada pelo poema!
Obrigada pelo comentário!
Nada mais fui a não ser sorriso...

dimensaooculta

Mariana disse...

Diriam-me palavras, dirias que foi mt tarde!

A opção será:
"ou entao nao lhe ligas e assumes que nao lhe vais ligar e que vais viver nessa ansia eventual de o encontrar, ou de nunca mais o ver e ir deixando esmorecer até te passar"

Que se faz???

dimensaooculta

Anónimo disse...

faz-se o q se pode, isto se soubermos como... ou então faz-se indiferenciado, e isto q seja o q quer q seja quiser. Mas como n há resposta... pessoalmente, eu diria:
entrega-te a menos q vejas q n conseguiste ver entre os olhos q nada te disseram. Boa noite, bom prelúdio, bom natal!

dimensaooculta disse...

Foram os olhos que disseram tudo, pelo menos tudo o que pensei querer ouvir...nada!
Ontem continuaram sem dizer nada e eu continuei sem fazer nada e continuarei sem fazer nada até que ganhe crosta outra vez..Este é o maravilhoso mundo dos desconhecidos, este é o tempo ocupado com um bilhete só de ida para o país dos sonhos.
Pensei que pensava em ti e o que saltita do lado esquerdo era cor outra vez...
Não marcaste hora para chegar, nem combinamos um lugar...Era fim-de-tarde e encolhias-te no teu casaco de malha...esperavas por mim sem pressa do outro lado da rua.Tinhas medo de falar.Pensavas em mim!
É assim que te imagino!
Quanto mais me aproximo mais percebo o quão longe estás...
Boa noite.

dimensaooculta