terça-feira, junho 17, 2008



Caminho sem pés e sem sonhos
só com a respiração e a cadência
da muda passagem dos sopros
caminho como um remo que se afunda.
os redemoinhos sorvem as nuvens e os peixes
para que a elevação e a profundidade se conjuguem.
avanço sem jugo e ando longe de
caminhar sobre as águas do céu.
Daniel Faria "Explicação das Árvores e de Outros Animais"(1998) Caminho sem pés e sem sonhos
Fotografia de Henri Cartier Bresson

3 comentários:

O Estranho disse...

gostei principalmente dos 2 últimos versos...

verdades_e_poesia disse...

Bom post. E ao tempo que já não ouvia Zéca... Beijo

AnaMartaFortuna disse...

Beijinhos aos dois!