sábado, abril 05, 2008

























"Se as crianças me perguntarem o que quero
respondo quero morrer.
Como a silila de Cumas se as crianças
me perguntarem o que estás aí a fazer
baloiçando nessa garrafa suspensa
respondo quero morrer.
Nesta garrafa suspensa baloiçando no ar
desgrenhado, com o peito arfante e o coração
a rebentar de fúria selvagem
se as crianças me perguntarem
o que estás aí a fazer, o que quero
respondo quero morrer.

Daniel Jonas em "Os fantasmas inquilinos"
Fotografia de Martin Stranka




5 comentários:

Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.
Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.
Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.
S. disse...

Não queiras morrer enquanto te viver no peito a sede de descobrir e oferecer palavras :)

Muito obrigada pelo mimo do Pedro Barroso...um comentário tão mais rico que o post comentado.

AnaMartaFortuna disse...

:))) Fui ver o "nenhures" no TECA com o texto do daniel jonas.Fiquei fascinada..ao pesquisar na net vi este poema que me disse tanto, não propriamente o morrer mas por vezes querer desistir, penso que seja mais isso que sinto quando o leio. Tens que ver coisas dele, é mt bom.

Quanto ao mimo, é mesmo um miminho que nunca iria suplantar todas as outras escolhas, que são tuas e só por isso são mais ricas do que qualquer outras.
É um enorme prazer as visitas ao teu blog e é tão bom quando por aqui passas...

Volta sempre