terça-feira, dezembro 06, 2005

O som

Não era bom se por um instante o momento parasse e fosse só sol e cores?
Sem neutro para atrapalhar as vontades? Sem pessoas para impedir o caminho? Como era bom se hoje em vez de falar apenas pudesse olhar sem que ninguém visse…
Deixava a porta aberta; porque não havia frio; para entrares; até podias fazer barulho porque não existia ruído. Pousavas a pasta em cima da mesa e quando voltasses beijavas-lhe a mão sem pressas e o som que não ouviu iria ser um sorriso estanque na percussão da sua lembrança.
Hoje não está frio, nem é Inverno mas mesmo assim a porta continuou fechada e o frio continuava a entrar em vez do sorriso.
Há qualquer coisa errada com esta imagem, no mundo parece estar tudo certo, numa ordem que não entendo…Em pessoas que não quero, em gestos ridículos, palavras decompostas, salas vazias, corações de Inverno, espaços a abarrotar, comidas com muito sal, trabalhos nunca começados, dias sem ar, mentes sem cor, sapatos frios e casacos rotos com ar de abandono…cães sem dono, alunos sem formação, mulheres sem abono, homens sem tesão, crianças sem amor, velhos sem sexo, homossexuais sem conversa e heterossexuais sem cultura…
Não tinhas mais nada para lhe dizer…não fez sentido nenhum o que lhe disseste, não precisava ouvir nada teu no entanto precisava de ouvir alguma coisa que não fizesse sentido nenhum…
Obrigada

dimensaooculta

2 comentários:

ileee disse...

Bom dia de sol! Beijo

Daniel disse...

Gosto muito deste :)Beijo